Encerramento do Carnaval 2011 - Beberibe, Cascavel, Majorlândia

Clique para Ampliar
A praça da Igreja Matriz de Beberibe recebeu uma multidão que assistiu à apresentação da banda Forró Requebra, que levou o público ao delírio ao cantar hits como a música “Liga da Justiça”, que retrata o romance do Superman com a Mulher Maravilha

Clique para Ampliar
Em cima do paredão de som, as quatro amigas fazem a festa em Morro Branco
Clique para Ampliar
À noite, na praça principal de Beberibe, muita mulher bonita a elevar o astral

Clique para Ampliar
Amigos aproveitam em Beberibe
Clique para Ampliar
Pela terceira vez seguida, o Carnaval Cultural da Praia da Caponga sai às ruas
Clique para Ampliar
Praia de Majorlândia agita público no período da tarde
9/3/2011

Os foliões se dividiram entre a “bagunça” dos paredões ao lado do Edifício Marina, à tarde, e a festa na praça, à noite
Beberibe. Diferente do que ocorreu em 2010, quando enfrentou problemas relacionados à segurança (muitos arrastões na sexta-feira de Carnaval afastaram os brincantes nos dias seguintes), este ano, Beberibe realizou uma festa organizada, segura e que contou com milhares de jovens.

A secretária de Turismo Ingrid Bessa revelou que, além de eliminar a sexta-feira do calendário, requisitou o reforço no policiamento, que contou com 250 homens, cem a mais do que em Aracati. “O resultado é o que estamos vendo: muita gente e uma tranquilidade que nem parece que estamos no Carnaval”. Ocorreram eventos festivos também em Parajuru e Paripueira, animados por bandas como Forró Requebra, Pinote, Arrega Samba e Vicente Nery.

Segundo alguns barraqueiros instalados no palco da festa, a Praça da Igreja Matriz, o consumo de bebidas, principalmente cachaça, aumentou bastante se comparado a anos anteriores.

Paredões
Nas tardes, os embalos ocorreram nos paredões localizados ao lado do Edifício Marina, na Praia do Morro Branco. É uma mistura de tudo quanto é ritmo musical com o mela-mela. O representante comercial Plínio Rafael reuniu uma turma de 60 amigos para brincar pela quinta vez seguida no local. “Alugamos uma casa grande por R$ 8 mil. Vale a pena. É uma festa legal e que tem muita irreverência”.

Cascavel

Com cerca de 40 mil pessoas reunidas a partir das 22 horas na Praça São Francisco, onde mais cedo passou o bloco das peruas, Cascavel teve ainda desfile de blocos tradicionais na Praça Nossa Senhora do Ó.

CURTAS

Cascavel teve festa monitorada
Um conjunto de câmeras espalhadas pela praça São Francisco monitorou os quatro dias de festa em Cascavel. A iniciativa facilita a ação policial. Logo que os foliões que se excedem são identificados, uma mensagem é passada para os seguranças particulares que os tiram do meio da multidão.

Paredões com horário de funcionamento
A Prefeitura de Beberibe restringiu o horário de funcionamento dos paredões de som. Quem extrapolou o horário entre as sete e as 19 horas teve o equipamento apreendido. A secretária de Turismo, Ingrid Peixoto Bessa, disse que as queixas maiores foram de pessoas que se hospedaram ao lado do Edifício Marina, reduto maior dos equipamentos.

“Vim de Mossoró (RN) com dois amigos para descansar nesse paraíso que o Ceará deu para o mundo”
Pavão Concentra, mas não sai
Os foliões do Carnaval Cultural da Caponga reagiram com bom humor à falha do trio elétrico Pavão, que teve um problema no gerador e não saiu no domingo e na segunda-feira. A falha no equipamento valeu ao “Pavão Elétrico” o apelido de “Concentra mas não sai”.

Morro Branco vira reduto dos paredões de som
Grupo de amigos reunidos na Praia do Morro Branco, em Beberibe, onde o balanço é regido pelos paredões de som. O local, sempre à tarde, ao lado do Edifício Marina, se transformava também no point do mela-mela, que tradicionalmente acontece na Praça da Igreja Matriz, mas que perde força e adeptos a cada ano que passa.

Pela terceira vez seguida, o Carnaval Cultural da Praia da Caponga sai às ruas. Em 2011, a novidade é que a Prefeitura encampou a iniciativa. Os blocos da Sardinha, puxado por uma orquestra da cidade de Pindoretama, e o Formigueiro reviveram as antigas marchinhas que empolgaram várias gerações

Praia de Majorlândia agita público no período da tarde
A polêmica judicial que quase impediu a festa em Aracati prejudicou também o agito em Majorlândia, que não acontece como outrora. No sábado à tarde, apenas em torno de 400 pessoas foram assistir à apresentação da banda Malucos da Folia. De domingo a terça-feira, entretanto, a movimentação melhorou consideravelmente, embora distante da ocorrida em 2010. O acesso ao local pôde ser feito sem qualquer congestionamento de carros
Fernando Maia
Repórter                                                                         Fonte: Diario do Nordeste