Chapada do Apodi " Vale dos Agrotóxicos"

Hoje e amanhã, Limoeiro do Norte é sede de amplo debate sobre problemas causados por defensivos químicos


Fac-símile do regional, com reportagem exclusiva sobre a problemática dos defensivos químicos no Estado
Limoeiro do Norte Maior do Nordeste e quarto do Brasil em quantidade de estabelecimentos que usam agrotóxico, o Ceará dobrou, em cinco anos, a venda de veneno e ampliou em 963,3% a venda de ingredientes ativos para os venenos. O dado faz parte de estudo coordenado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), consta de pesquisa de doutorado na Universidade de São Paulo (USP) e foi extraído do Censo Agropecuário do IBGE. Então, cada novo produto é mais potente (leia-se: tóxico) que o anterior.

O problema é que embora isso reflita uma maior atividade agrícola, também representou aumento de casos de intoxicação aguda nas pessoas, em que o agrotóxico é o principal responsável.

Desde ontem, representantes do Ministério da Saúde estão em Limoeiro do Norte, onde levantamento médico e científico constatou intoxicação aguda em um de cada três trabalhadores avaliados. Irritação, dores, tonturas, depressão, sangramento, fraqueza óssea, redução de memória, câncer e até morte de trabalhadores rurais foram diagnosticados no entorno de perímetros irrigados na Chapada do Apodi.

Se fosse dividida, por habitante, a quantidade de agrotóxicos que é utilizada no País, é como se cada brasileiro utilizasse cinco litros de veneno por ano. O Brasil é, hoje, o maior consumidor mundial desse produto, e o Ceará já era, em 2008, o maior do Nordeste em consumo e quarto no País, só perdendo para os Estados do Sul, conforme o IBGE. Mas, a cada ano, o aumento de evidências do impacto dos agrotóxicos na saúde das pessoas e do meio ambiente tem colaborado com o aumento da discussão: é possível uma vida saudável com veneno?

Conforme enunciado ontem no editorial do Diário do Nordeste, foi constatado agrotóxico no leite materno das mulheres do Município de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, Estado com a maior atividade agrícola e maior consumidor de agrotóxicos. De um grupo de 62 mulheres voluntárias, "no leite de todas elas foi constatada a contaminação em níveis preocupantes", afirmou editorial. Os dados são da pesquisa da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

A comparação com o histórico epidemiológico de Limoeiro do Norte é inevitável visto que, de forma tardia, persistem neste Município cearense três combinações que coincidem com a cidade de Lucas do Rio Verde: expansão agrícola com grande uso de agrotóxicos (inclusive pulverização aérea), fiscalização frouxa das leis e uma situação de incredulidade das evidências, seja por parte de produtores agrícolas seja por parcela do poder público.

Levantamentos apontados no estudo epidemiológico realizado pelo Núcleo Trabalho Meio Ambiente e Saúde para a Sustentabilidade (Tramas), da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, trazem dados preocupantes. Foram investigados 35 sintomas gerais (pele, olhos, nariz e garganta e neurológicos), os quais fazem parte dos quadros de intoxicação aguda, subaguda ou crônica por diferentes ingredientes ativos de agrotóxicos.

Trinta e três por cento dos trabalhadores entrevistados referiram quadros que podem ser considerados como intoxicação aguda por agrotóxicos. Do grupo de trabalhadores pesquisados, 37% alegaram dores de cabeça, 18% apresentaram agravo na redução de memória e irritabilidade, e outros 49,3% alegaram problemas de pele e, também, mucosas.

No quadro de distribuição de sintomas em órgãos do corpo e sistemas, num levantamento com trabalhadores rurais, foram constatados vários problemas, dentre os quais irritação de nariz, garganta e olhos, dificuldade respiratória, dores no peito, nas pernas, tonturas, depressão, zumbido, tremores no corpo. De 75 trabalhadores de empresas agrícolas "que se sentiram mal pelo uso dos agrotóxicos por segmento", diz a pesquisa, 45,3% foram atendidos na empresa, 21,3% procuraram hospital público, 5,3% em posto de saúde e, o mais grave, 25,3% não procuraram atendimento médico.

Os estudos foram conduzidos pela médica Raquel Rigotto, pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com apoio do Ministério da Saúde e de outras universidades do País.

Emblemático
Até mesmo dados levantados por órgãos do Governo do Estado são utilizados no contexto do estudo epidemiológico. Mas no círculo de debates, o trabalho é contestado por empresas agrícolas e mesmo órgãos públicos que insistem em desfazer qualquer associação entre o atual modelo agrícola e possíveis impactos causados por agrotóxicos na saúde de trabalhadores rurais.

O caso clínico mais emblemático é de José Vanderley, funcionário de uma empresa multinacional. Por três anos, trabalhou no setor de aplicação de agrotóxicos. Laudo apontou quadro clínico compatível com doença hepática - hepatopatia por substâncias tóxicas, sustentada na evidência de exposição ocupacional prolongada a diferentes ativos de agrotóxicos.

PESQUISARisco da pulverização aérea
Na discussão sobre o que pode estar causando doenças em trabalhadores rurais, o agrotóxico é apontado como o grande vilão. E uma de suas ferramentas principais seria a prática da pulverização aérea. Produtores agrícolas e até mesmo engenheiros agrônomos divergem sobre o poder de contaminação de uma pulverização "dentro da lei". De acordo com a Embrapa, mesmo com calibração, temperatura e vento ideais, a pulverização aérea deixa cerca de 32% dos agrotóxicos retidos nas plantas, 49% vão para o solo e 19% vão pelo ar para áreas circunvizinhas da aplicação. É essa última parte a maior reclamação de comunidades na Chapada do Apodi.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), com dados levantados de 2005, por anos eram registradas em média sete milhões de intoxicações severas por agrotóxicos, das quais 70 mil resultaram em morte. Estes agraves somam-se a efeitos crônicos: 25 mil casos de sequelas neurocomportamentais (de cabeça) e 37 mil casos de câncer.

Casos de câncer
Embora Raquel Rigotto e os demais pesquisadores não afirmem categoricamente que os agrotóxicos estejam provocando câncer em Limoeiro, deixam os dados falarem por si: em 23 localizações anatômicas de câncer, prevaleceu incidência em agricultores. Com base no levantamento do Instituto do Câncer do Ceará (ICC), ser agricultor confere maior risco de se ter câncer. Destacam-se: tireoide (1,12), próstata (1,17), laringe (1,30), rim (1,30), cólon - junção reto sigmóide (1,31), esôfago (1,40), olhos e anexos (1,58), tecido conjuntivo (1,62), linfomas (1,63), mama masculina (1,67), mieloma múltiplo (1,83), bexiga urinária (1,88), testículo (5,77), leucemias (6,35), pênis (6,44).

"Há um descontrole institucional na utilização dos produtos", aponta Alice Pequeno, pesquisadora do TRAMAS e que estudou a Chapada do Apodi em sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Ela reclama da prática comum de apontar apenas o pequeno produtor como culpado pelo uso indiscriminado de agrotóxicos.

"MOVIMENTO 21"Protestos continuam em Limoeiro
O dia 21 de abril marca o primeiro ano de morte do líder comunitário "Zé Maria do Tomé". Caso continua impune
Desde ontem diversos militantes sociais, religiosos, professores e estudantes estão reunidos neste Município para o "Movimento 21", em alusão ao 21 de abril de 2010, quando o líder comunitário José Maria Filho foi assassinado a caminho de casa, na Chapada do Apodi. Hoje pela manhã, centenas de trabalhadores rurais e militantes fazem panfletagem e marcha de protesto contra impunidade, passando pelos bairros Antônio Holanda, Luis Alves de Freitas e Bom Nome. São bairros fornecedores de mão-de-obra para os perímetros irrigados Jaguaribe-Apodi e Tabuleiros de Russas.

Haverá marcha até a sede do Ministério Público do Trabalho, no Centro da cidade, para cobrar a apuração do crime contra o "Zé Maria do Tomé" e sobre as mortes de Vanderlei e Valderi Rodrigues, ambos cujo drama em vida foi acompanhado pela reportagem. As famílias ainda apelam na Justiça.

A morte de José Maria Filho é investigada pela Delegacia de Homicídios. Somente dois meses atrás foi realizado o exame de balística, comprovando que a arma usada no crime é de uso exclusivo das polícias e da Forças de Segurança Nacional.

Zé Maria do Tomé teve 25 perfurações de pistola e fuzil. Ainda hoje movimentos religiosos e sociais lutam para que o caso seja transferido para a Polícia Federal.

Caminhada
Os participantes do "Movimento 21" ainda farão uma caminhada do local do assassinado de José Maria até a praça da comunidade do Tomé, onde ele era líder. Será inaugurado o Memorial Zé Maria, e haverá celebração religiosa. Estudantes das escolas públicas farão apresentações culturais sobre agrotóxicos e o meio ambiente.

O cantor popular Zé Vicente encerrará o ato de um ano da morte do homem que lutava contra o abuso de agrotóxicos na agricultura da região do Baixo Jaguaribe.

Nos últimos meses o Ministério Público do Trabalho em Limoeiro tem realizado reuniões com vários órgãos e empresas para discutir a problemática dos agrotóxicos e as questões trabalhistas na região.

Já foram apresentados relatórios da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), sobre contaminação da água com defensivos químicos, da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), sobre contaminação do lençol freático em Morada Nova, e dados do Núcleo Tramas, da UFC.

A próxima reunião acontecerá no dia sete de junho, aberta para quaisquer interessados.

Melquíades JúniorColaborador(Diario do Nordeste)