Semace multa empresa que jogou embalagens de agrotóxicos a céu aberto em Limoeiro do Norte

Problema antigo. Líder comunitário "Zé Maria do Tomé"
(morto em 2010) mergulha em tanque que abastece
comunidade com água para denunciar descarte incorreto
de embalagens. (Diário do Nordeste/2009)
Mesmo com as últimas campanhas para que não se jogue aleatoriamente embalagem de agrotóxicos no meio ambiente, empresas da Chapada do Apodi, em Limoeiro, parece que não aprenderam.

Uma marmoaria foi multada em R$ 2 mil depois que equipe de fiscalização  da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) encontrou 300 embalagens de agrotóxicos jogados a céu aberto e com prazo de validade vencido. O dono da empresa já havia sido autuado por comércio irregular de defensivos agrícolas. Ele tem 20 dias para se apresentar à Semace.

Triste
Nos últimos anos tem-se realizado em Limoeiro trabalho de recolhimento itinerante de embalagens vazias de veneno. Na região jaguaribana, apenas algumas empresas possuem postos próprios de coleta de embalagens vazias e tratam de dar o destino final ao produto, geralmente levado para uma central de recolhimento em Mossoró (RN). Garrafas, latas, caixas de papelão, que um dia foram depósitos de venenos para a lavoura, são comumente encontrados nas proximidades dos perímetros irrigados para serem reutilizados. Muitos inclusive transformam essas embalagens em depósito de água para o consumo doméstico.

REPÓRTER: MELQUÍADES JÚNIOR
Fonte: Diário Vale do Jaguaribe