Condenados autores da maior chacina do Ceará (Limoeiro)

Cássio Santana, o principal mentor da chacina,
está detido na penitenciária federal de
Catanduvas, no Paraná DIVULGAÇÃO
O pistoleiro Cássio Santana recebeu uma pena de 144 anos de reclusão. O irmão foi sentenciado a 25 anos
Oito anos depois da maior chacina ocorrida no Ceará, a Justiça finalmente julgou e condenou, ontem, os acusados do crime. Sete pessoas foram fuziladas na cidade de Limoeiro do Norte (a 196Km de Fortaleza) por três pistoleiros, na noite de 18 de setembro de 2003. Na madrugada de ontem, os irmãos Cássio e Cassiano Santana de Souza foram sentenciados, nesta Capital, a penas de 144 e 25 anos de prisão, respectivamente. O Júri durou cerca de 14 horas.

O julgamento foi realizado no Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza, após o processo ser desaforado (transferido) da Comarca de Limoeiro. O Conselho de Sentença do Quarto Tribunal do Júri da Capital cearense, sob a presidência do juiz Antônio Carlos Pinheiro Klein, considerou os réus culpados.

Mortes
A sentença de 144 anos de prisão para Cássio Santana foi assim dividida: por seis homicídios triplamente qualificados (motivo torpe, meio cruel e surpresa) ele recebeu uma punição de 21 anos de reclusão por cada um deles, somando 126 anos. E mais um homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e surpresa), com pena de 18 anos, totalizando, então, a pena definitiva de 144 anos de reclusão em regime fechado.

Já o irmão dele, Cassiano Santana, foi punido por cinco homicídios simples, sendo absolvido em outros dois. Para cada um dos delitos, recebeu a pena de seis anos, diminuída de um ano pela atenuante de menor participação, resultando, então, na sentença definitiva de 25 anos de reclusão.

Cássio Santana está preso, atualmente, na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Catanduvas, no Estado do Paraná, enquanto o irmão é mantido no Instituto Penal Paulo Sarasate (IPPS), em Aquiraz. Ambos são considerado de altíssima periculosidade e temidos na região do Vale do Jaguaribe.

Os dois acusados foram denunciados pelo Ministério Público depois de uma longa investigação feita pela Polícia Civil. Na época, o caso teve grande repercussão na Imprensa local e um forte aparato policial foi deslocado para Limoeiro do Norte com o objetivo de capturar os criminosos. Além dos irmãos Santana, outro pistoleiro comandou a chacina. Era o bandido José Roberto dos Santos Nogueira, conhecido como ´Chico Orelha´, que, posteriormente, morreu em confronto armado com a Polícia do Rio Grande do Norte.

Os assassinos teriam praticado a chacina sem sequer conhecer as vítimas. Agiram para simplesmente desafiar a Polícia.

A matança teria sido planejada por ´Chico Orelha´ como represália, pois sua mulher havia sido presa nas investigações em que ele era apontado como um dos responsáveis pela morte do radialista Nicanor Linhares, crime ocorrido, também na cidade de Limoeiro do Norte, no dia 30 de junho de 2003.

Chacina
Armados com pistolas de calibres Ponto 40 e nove milímetros, os três pistoleiros atacaram a cidade de Limoeiro e executaram sete pessoas inocentes.

As vítimas foram fuziladas com tiros à curta distância e seis delas ainda tiveram uma das orelhas arrancadas pelos matadores, caracterizando a crueldade. Os mortos foram identificados como Franciclésio de Jesus Lima, 21; José Aírton Nogueira de Sousa, 37; Francisco Hudson Mendes Pereira, 25; Francisco Francimar Silva Arruda, 23; Raimundo Izaildo da Costa, 49; Raimundo César Alves da Silva, o ´Cezinha´, 31; e Juan Castro Brito, 22 anos.

Capturado
Depois de vários meses de fuga, Cássio Santana terminou sendo preso na cidade de Alagoinha, no Interior da Bahia, ocasião em que foi gravemente baleado.

EDITOR DE POLÍCIA: FERNANDO RIBEIRO 
Fonte: Diário do Nordeste - Polícia