Greve de servidores por salários em Tabuleiro do Norte

Por melhores salários, servidores cruzam os braços em Tabuleiro do Norte e também em Caucaia, na RMF
Foto meramente ilustrativa

Tabuleiro do Norte A falta de consenso entre Sindicato dos Servidores e Prefeitura Municipal não teve um fim e foi deflagrada a greve neste Município. Com obediência ao prazo de 72 horas, oficialmente no dia 1º de abril, professores e servidores da educação pública municipal de Tabuleiro do Norte cruzam os braços em protesto contra o reajuste proposto pela administração municipal, que descaracterizaria o atual Plano de Cargos e Carreiras do Magistério.

A falta de consenso quanto a reajustes salariais também em Caucaia fez com que professores, servidores da saúde de nível superior e servidores de nível médio das demais secretarias municipais paralisassem as atividades por tempo indeterminado.

O impasse em Tabuleiro do Norte teve início quando o prefeito Raimundo Dinardo encaminhou à Câmara Municipal projeto de lei que regulamenta o salário de professores de acordo com o piso determinado pelo Ministério da Educação. Mas há professores municipais com nível médio, superior e com especialização. A diferença entre os salários (determinada em plano de cargos e carreiras aprovado há um ano no Município) seria acanhada porque a Prefeitura propõe o maior reajuste, de 22%, para professores de nível médio, e reajuste menor, de 10%, para os professores com graduação.

"Esse reajuste proposto pelo prefeito vai acabar com a diferença de salário pelo grau de escolaridade do professor. Isso é um absurdo e vai de afronta ao plano de cargos e carreiras do magistério. O correto seria dar o reajuste de 22% para todo mundo", afirma Irinélia Olímpio, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Tabuleiro do Norte. Para o prefeito Raimundo Dinardo, os servidores estão com propostas impraticáveis. "Temos um limite no orçamento e devemos obedecer a lei. O reajuste que propomos é o que pode ser feito", afirmou.

Os professores com apenas nível médio são minoria em Tabuleiro. Logo, a maioria dos profissionais do magistério ficará com um reajuste menor, de 10%.

Sem recursos
Em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, professores, servidores da saúde de nível superior e de nível médio nas demais secretarias municipais entraram em estado de greve. A paralisação se dá para que a Prefeitura Municipal cumpra a Lei do Piso do Magistério, pague a segunda parcela do Plano de Carreira dos Servidores da Saúde e crie Plano de Carreira para demais servidores. A Prefeitura alega que os reajustes possíveis estão condicionados a recursos para folha de pagamento e não haveria recursos para todas as reivindicações dos servidores.

REPÓRTER: MELQUÍADES JÚNIOR 
Fonte: Diário do Nordeste-Regional